Estimativa da taxa de redução de CO2 de concretos produzidos com cinzas resíduas de bagaço de cana-de-açúcar

Paulo Eduardo Teodoro, Mario Henrique Quim Ferreira, Diogo Souza Charbel, Sidiclei Formagini, Matheus Piazzalunga Neivock

Resumo


São notórios os fatos de que o concreto é um material extremamente poluente, poluição derivada da fabricação do cimento, indispensável para o nosso meio de vida como seres humanos. Desta forma é imperativa a criação de formas mais sustentáveis para a construção civil e para os materiais utilizados pela mesma. A substituição de parte do clínquer por cinzas do bagaço de cana-de-açúcar residual tem grandes benefícios entre eles, agregar valor econômico para este resíduo, eliminação de grande quantidade de material que de outra forma seria descartado como lixo e a diminuição da utilização e produção do clínquer e consequente redução de emissão de CO2 do concreto produzido. Foi estimada a redução da taxa de emissão de CO2 por metro cúbico de concreto produzido no estado de Mato Grosso do Sul e hipoteticamente no Brasil. Tal análise demonstra a viabilidade de produção de um concreto que utiliza menos cimento e ainda cria uma finalidade para refugos da indústria sucroalcooleira. Com a inserção deste cimento produzido com adição de 15% de cinzas de bagaço de cana-de-açúcar no mercado promoveria diminuição de emissão apenas no Mato Grosso do Sul de aproximadamente de 53,5 kilotoneladas de CO2 por ano e no Brasil em cenário idêntico teríamos uma redução de aproximadamente 3.162,76 kilotoneladas de CO2, mantendo a mesma produção atual de cimento.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Paulo Eduardo Teodoro, Mario Henrique Quim Ferreira, Diogo Souza Charbel, Sidiclei Formagini, Matheus Piazzalunga Neivock